Sentámos-nos à conversa com o nosso Factoryano Luís Caldeira Pinto da Uebyou. Senta-te tu também e descobre um pouco mais sobre esta empresa e sobre a nossa comunidade aqui no Factory Braga!
O que faz a Uebyou?
A Uebyou surgiu para auxiliar as várias empresas do ponto de vista do Design, mas o Design por si só não chegava, em Portugal ainda não existe a valorização desse componente de forma isolada.
Fomos atendendo a outras necessidades dos nossos clientes, fomo-nos especializando e daí para a área das tecnologias de informação foi um salto. Começámos também por criar novas estratégias a serem implementadas nos
clientes, por exemplo a nível do Marketing Digital, que já se fala há alguns anos, mas na altura não era tão explorado, pelo menos a nível local. Especializámo-nos na construção de Websites, Lojas Virtuais (e-commerce), assim como também desenvolvemos consultoria a nível de formação, junto dos nossos clientes.
O que é que vos distingue das restantes empresas da mesma área?
Um dos nossos maiores factores de diferenciação, está relacionado com o facto de percebemos que não devemos alcançar um mercado de massas, mas sim proporcionar aos nossos parceiros soluções personalizadas.
Quando entramos em contacto com um cliente, aquilo que dizemos é que vamos estar ao lado dele como parceiro, não tanto numa relação cliente-fornecedor, mas sim numa lógica de parceria, para ajudá-lo a alcançar
os resultados que pretende.
Já nos aconteceu, por exemplo, o envolvimento ser tão grande que acabamos por assumir o risco juntamente com o cliente, quando este não tinha na sua tesouraria verba para investir em determinada tecnologia. Como esta é
uma situação muito importante para o sucesso de todo o trabalho já desenvolvido ser bem sucedido, nós “apostamos” no cliente e assumimos uma parte do risco.
Qual pensas que será a evolução nos próximos tempos a nível de tecnologia?
Há uma lacuna a nível de tecnologia de informação a nível mundial. Só em Portugal estamos a falar de milhares de empregos que estão por ocupar nesta área. Significa isso que as tecnologias de informação vão fazer cada vez mais parte da vida de toda a sociedade.
O que eu vejo, como futuro da nossa empresa e desta área de negócio, é uma interligação cada vez mais estreita entre os produtos tradicionais e aquilo que nós vemos como tecnologia de informação.
Começou pelos smartphones, hoje já falamos de fatos biométricos, que não eram uma realidade há poucos anos atrás, mas será um “must have” num futuro muito próximo. O uso de smartwares e smartwatches é o primeiro passo.
Cada vez mais desenvolvemos informação para software em todos os produtos, para que todos tenhamos toda a informação em qualquer lugar o mais rápido possível! As empresas têm que se fazer presentes em todas estas novas dimensões digitais.

Porquê o Factory Braga para trabalhar?
Numa primeira instância surgiu de uma necessidade, ou seja, eu necessitava de um local onde receber os meus clientes. Mas depois a surpresa foi muito agradável, por toda a simpatia da vossa equipa, mas também na flexibilidade demonstrada no que diz respeito à criação de soluções para as nossas realidades. Trata-se de no fundo de fazer aquilo que eu tento também fazer com os meus clientes, que é arranjar soluções onde numa situação tradicional ela não existiria.
Seja na procura de salas, seja na criação de parcerias, na busca pela formação, a vossa disponibilidade. São todas situações óptimas de parte a parte!
O conceito do espaço e a forma como vocês colocaram todo o Design e funcionalidades está muito bem conseguido e bem patente na solução alcançada. Estou aqui pelo projecto em si, mas principalmente pelas pessoas que o
dinamizam.
Como tem sido a vossa experiência no Factory Braga?
A experiencia tem sido impecável, gosto imenso do Factory!
Sempre que há algo a apontar, tudo é resolvido prontamente. Para além dos escritórios, adequados a “Startups” e microempresas, o Factory tem salas de reunião, salas de formação, a copa, as máquinas de vending, todo um
conjunto de serviços e parcerias, esta própria “conversa” por exemplo… Se quiséssemos ter isso tudo do ponto de vista individual, seguramente teríamos que investir muito mais e não obteríamos o mesmo tipo de resultados.
Quando dizem que é caro, não concordo. Porque, alugar um escritório já mobilado, com condomínio, pagar água, luz, aquecimento central, a internet e todo o tipo de comunicações, só por si, já faz sentido. Depois ainda temos a equipa do Factory a dar apoio, que nos “leva ao colo” quase. Isso é excelente, é muito bom.
São esses os factores pelos quais nós estamos cá e esperamos continuar.
Copy: Cátia Pratas